quarta-feira, 28 de março de 2012

Fecho os olhos, meto os headphones (com a música no máximo) e consigo imaginar um mundo, completamente, à parte deste. Um mundo onde as pessoas deixam a falsidade de parte e passam a ser mais sinceras com as outras, onde não existe tempo para "chatices" e o tempo está sempre a nosso favor, onde as vinte e quatro horas junto de ti já, e felizmente, não me parecem apenas meras horas e as conseguimos aproveitar da melhor forma. Um mundo onde eu sou verdadeiramente felizSim, ultimamente tem sido esta a minha rotina, relembrar-me de tudo o que, em quarenta e um meses, temos vivido juntos e imaginar, como será, tudo o que ainda tens para me proporcionar.

quinta-feira, 15 de março de 2012

Pois é, hoje a noite vai ser mais "longa" do que o habitual. Estou, neste momento, no sofá da minha sala a fazer tempo para que cheguem as 2h30 da manhã, vou para Lisboa a essa hora, devido à seleção para o projeto Junior Achivement, que se realizará na FIL. Estou cheia de sono mas não posso adormecer, pois se o fizesse, teria o acordar mais mal-disposto de sempre e isso não pode acontecer. Espero que seja um bom dia, pelo menos, que consiga compensar o cansaço da viagem!

domingo, 11 de março de 2012

" É estranho, mas os anos passam e nós recordamos pormenores antigos com uma nitidez quase fotográfica, ouvimos uma frase com a voz que a disse, mas aquilo que sentimos em determinada altura deixou-se ficar lá atrás no passado, morreu com o próprio momento. "

domingo, 4 de março de 2012

" Conheci-te eras apenas uma menina com o mais  puro sorriso a escapar-te entre os lábios, aquele teu olhar esverdeado tão doce,  esse maravilhoso olhar que me fascina a cada segundo, e hoje, hoje és uma mulher linda amor, uma mulher com uma mentalidade, uma maturidade e uma responsabilidade muito maior que algumas com vinte e trinta anos têm ... e isso é tão bom! Nunca deixes de ser assim, por favor minha deusa, eu sinto que a cada dia que passa estou mais apaixonado por ti, dona do meu coração."


Só posso agradecer-te por fazeres de mim a mulher mais feliz do mundo, 
eu devo-te tudo aquilo que sou e prometo cuidar de ti até ao fim da 
minha vida. Amo-te muito e estou cheia de saudades tuas *.*

sábado, 3 de março de 2012

Estou na aula de Português e olho para o papel. Este continua em branco. As palavras surgem na minha mente, mas sem qualquer ligação. Nada faz sentido. Olho para o teto na esperança de que aquele cinzento pálido me traga alguma inspiração. Impossível. É nestas alturas que damos conta da necessidade de cores nas escolas. Pintaram-nas como se fossem capelas mortuárias e depois esperam que sejamos bons alunos, vivos e inspirados. O tempo passa; já falta pouco mais de meia hora e não escrevi mais de dez versos. Escrever um bom poema, num curto espaço de tempo, sem música, sem revolta, sem saudade ou sem amor é (praticamente) uma missão impossível. Mas aqui estou eu, caneta em punho, à espera que algo surja. Começa a doer-me a cabeça, uma vez mais, nesta terrível semana. Porque é que nada corre bem precisamente naqueles momentos em que tem de correr? Esta folha, esta simples folha branca com linhas azuis, tem parte do meu futuro nas mãos. A pressão começa a aumentar, ainda mais. É como saber que é agora ou nunca, que ser bom não basta, que o mundo espera de mim uma pequena obra de arte. Mas que, infelizmente, não aconteceu pois, logo de seguida, a campainha tocou!


( Este texto foi escrito na segunda-feira mas, como a semana foi bastante agitada, 
e o fim-de-semana irá pelo mesmo caminho, só consegui publicá-lo hoje. )